Desafios na irradiação do cancro da mama

Cancro da mama nos estádios iniciais

  • Benefícios do tratamento
  • Desafio clínico
  • Solução clínica
  • Solução ZEISS

A radioterapia intraoperatória (IORT) é um tratamento eficaz para os pacientes e uma opção de radioterapia sustentável para a sociedade

Benefícios do tratamento

  • Eficácia clínica

    A IORT pode ser utilizada para esterilizar o leito tumoral, mudando o microambiente deste, aumentar o controlo local e a sobrevida global e, em casos de recidiva, diminuir o risco de metástases à distância em comparação com a radioterapia convencional.1,2,3,4,5

  • Atender às necessidades dos pacientes

    A IORT causa menos efeitos indesejados induzidos pela radiação, menos dor e melhores resultados a nível cosmético. Dá aos pacientes selecionados com tumores recidivantes a opção de fazer um tratamento conservador da mama subsequente e é, em geral, mais segura para populações de risco, por exemplo, fumadores ou pacientes com doença cardíaca, em comparação com o padrão de cuidados.5,6,7,8,9,10

  • Sustentável e económica

    A IORT ajuda a reduzir o impacto total do custo do tratamento, a aumentar os anos de vida ajustados pela qualidade (QALY), a libertar recursos hospitalares e a aumentar o número de pacientes atendidos. É também um tratamento mais sustentável devido ao menor desperdício de água, consumo energético e deslocações para os sistemas de saúde em todo o mundo, em comparação com o padrão de cuidados.11,12,13

Proporciona um tratamento de radioterapia personalizado que salva vidas de mais grupos de pacientes e populações de risco, elimina os efeitos indesejados da radioterapia convencional, aumenta os QALY e ajuda as sociedades em todo o mundo a reduzir o impacto a nível de recursos e custos, prestando simultaneamente cuidados de saúde valiosos

Desafio clínico

Irradiar o cancro da mama com a dose necessária de modo imediato e preciso no leito tumoral de forma a não causar danos colaterais ao tecido saudável circundante, como o coração, pulmões ou outras áreas sensíveis, continua a ser um desafio para os tratamentos de radioterapia convencional.

O intervalo de tempo usual entre a cirurgia e a radioterapia convencional, e também a irradiação do tecido saudável, podem ter como consequência recidivas locais (mais rápidas) e efeitos indesejados induzidos pela radiação, dois fatores que podem resultar numa sobrevida global mais curta para o paciente. Além disto, as opções de tratamento convencionais podem causar mais dor e apresentar piores resultados a nível cosmético para os pacientes, reduzindo a qualidade de vida destes.2,14

Utilizar a IORT como um tratamento versátil de dose única ou um reforço

Solução clínica

  • Nos esquemas de tratamento de radioterapia convencional, há um intervalo de, tipicamente, 4-6 semanas entre a cirurgia conservadora da mama (BCS) e a irradiação. Durante este período, o organismo inicia uma resposta biológica de cicatrização. No decurso deste processo, o fluido do local da cirurgia estimula o crescimento celular, incluindo a proliferação, a migração e a invasão das células tumorais residuais, potencialmente causando um novo crescimento do tumor. A IORT aplicada diretamente durante a cirurgia esteriliza o leito tumoral, estabelece um microambiente que não é propício ao desenvolvimento do tumor na mama, e altera de forma benéfica o fluido do local da cirurgia para prevenir um novo crescimento do tumor.2,3,4

  • Foi demonstrado que a IORT pode aumentar a sobrevida global e reduzir as mortes não associadas ao cancro da mama em comparação com a radioterapia externa.1

Diminuir o risco de recidiva local mudando o microambiente do leito tumoral durante a própria cirurgia e aumentar a sobrevida global

A IORT durante o tratamento do cancro da mama possibilita a irradiação com doses altas para esterilizar o leito tumoral, o que cria, na própria cirurgia, um microambiente que não é propício ao desenvolvimento do tumor na mama. Isto ocorre pois a irradiação imediatamente após a ressecção tumoral da mama afeta de forma positiva o tecido no leito tumoral e a proliferação de fluido no local da intervenção.2,3,4 Além disto, os resultados clínicos demonstraram que a realização de IORT aumenta a sobrevida global dos pacientes com cancro da mama em estádios iniciais em comparação com a radioterapia externa.1,5 

[...] A TARGIT-IORT não só é eficaz, como também pode ser, de muitas formas, um tratamento melhor para os pacientes com cancro da mama em estádios iniciais. Todos os hospitais em que são realizadas cirurgias ao cancro da mama deveriam poder oferecer esta forma de tratamento com radiação ionizante aos pacientes com cancro da mama. [...] Deveria ser considerada o novo tratamento padrão para o cancro da mama em estádios iniciais [...]

Valery Uhl, MD

Radioncologista e presidente da TARGIT Collaborative Group (TCG) Society

  • A IORT pode ser aplicada como uma dose única, em determinados pacientes, ou dada como um tratamento de reforço em combinação com a radioterapia convencional. Ambas as opções implicam um esquema de radioterapia em geral muito mais curto em comparação com os ciclos de tratamento sem IORT.13,14

  • Avaliações objetivas dos resultados cosméticos após radioterapia intraoperatória direcionada em comparação com a radioterapia externa ao longo dos anos demonstram que a IORT tem uma cosmese muito favorável com o passar do tempo, enquanto a da radioterapia externa diminui.8,9

  • Os sintomas de dor associados à radiação em pacientes com cancro da mama demonstram um risco significativamente inferior de desenvolver dor moderada e grave para os pacientes que fazem IORT em comparação com a radioterapia externa.10

Os pacientes têm menos efeitos indesejados induzidos pela radiação em comparação com o padrão de cuidados e, no caso de tumores recidivantes, determinados pacientes têm a opção de fazer um tratamento conservador da mama subsequente

Para além do efeito imediato que a IORT tem no ambiente do leito tumoral, os resultados clínicos também comprovam que um tratamento único de IORT pode substituir até 15-30 frações de radioterapia externa convencional para 80% dos pacientes1 se for realizada como reforço, acelerando o processo de tratamento geral de radioterapia para os cuidadores e os pacientes. Isto não só reduz bastante o número necessário de idas ao hospital durante o tratamento, mas é também mais prático para os pacientes. A IORT tem menos dispersão da radiação para os órgãos de risco e causa menos efeitos indesejados induzidos pela radiação para o paciente em comparação com a radioterapia externa, por exemplo, menos dor moderada a grave e melhores resultados a nível cosmético, conforme comprovado por avaliações objetivas ao longo do tempo e pelos dados comunicados pelos próprios pacientes.1,5,8,9,10 Assim, para a maioria dos pacientes, e especialmente para as populações de risco, como pacientes com doenças cardíacas ou fumadores, a IORT é uma opção de tratamento para cancro da mama mais segura em comparação com o padrão de cuidados.6,7,9,16

A IORT é uma opção de tratamento clinicamente favorável, económica e mais sustentável para os sistemas de saúde em todo o mundo em comparação com o padrão de cuidados

Para além da eficácia clínica demonstrada, a IORT também tem um efeito muito positivo na sociedade, visto que ajuda a reduzir substancialmente o impacto para os pacientes, os custos gerais e reais do tratamento em comparação com a radioterapia externa em mais de 50%, demonstrando simultaneamente um maior valor a nível de QALY em comparação com o padrão de cuidados atual.11,12 Assim, permite aos cuidadores libertar recursos hospitalares para determinados pacientes, aumentando o número geral de pacientes atendidos pelo departamento de radioterapia.

Em resumo, a IORT é uma opção de radioterapia significativamente mais sustentável em comparação com o padrão de cuidados, uma vez que causa menos desperdício, implica menos utilização de energia e diminui o tempo dispensado em deslocações11,13, tendo sido demonstrada a eficácia do tratamento sem heterogeneidade entre países e sistemas de saúde.1 Uma solução de valor acrescentado para todos os prestadores de cuidados de saúde.

A radioterapia intraoperatória de dose única para cancro da mama em estádios iniciais pode ser uma melhor alternativa à radioterapia convencional da mama para a maioria dos pacientes durante o tratamento do tumor primário.

Professor Jayant Vaidya

Professor de cirurgia e oncologia e cirurgião consultor na University College London (Reino Unido) e investigador principal no estudo TARGIT-A

Efeito anual da IORT a nível de sustentabilidade para os pacientes com cancro da mama, Reino Unido
  • 1.200

    Redução de 1200 toneladas nas emissões de carbono
    (o equivalente a 100 hectares de floresta)13

  • 170 000

    Menos 170 000 horas de vida gastas
    (podem ser usadas para cuidar das crianças, fazer voluntariado ou trabalhar, por exemplo)13

  • 8 milhões

    Menos 8 milhões de quilómetros percorridos
    (deslocamentos para a unidade de saúde)13

Estes resultados excelentes fornecem uma justificação clínica real para a utilização de radiação intraoperatória nos pacientes elegíveis com cancro da mama em estádios iniciais. É agora essencial desenvolver as orientações de tratamento correspondentes logo que possível.

Professor Jeffrey Tobias

Professor de oncologia na University College London (Reino Unido) e coimpulsionador do estudo TARGIT-A

  • 1

    Vaidya, J. S., et al. (2020). Long-term survival and local control outcomes from single dose targeted intraoperative radiotherapy during lumpectomy (TARGIT-IORT) for early breast cancer: TARGIT-A randomised clinical trial. BMJ, 370, m2836. https://doi.org/10.1136/bmj.m2836

  • 2

    Linares-Galiana, I., et al. (2021). Changes in peripheral immune cells after intraoperative radiation therapy in low-risk breast cancer. J Radiat Res. 2021 Jan 1;62(1):110-118. doi: 10.1093/jrr/rraa083.

  • 3

    Fabris, L., et al. (2016). Radiotherapy-induced miR-223 prevents relapse of breast cancer by targeting the EGF pathway. Oncogene 35, 4914–4926 doi:10.1038/onc.2016.23

  • 4

    Belletti, B., et al. (2008). Targeted intraoperative radiotherapy impairs the stimulation of breast cancer cell proliferation and invasion caused by surgical wounding. Clin Cancer Res 14(5):1325–32. doi:10.1158/1078-0432.CCR-07-4453

  • 5

    Kolberg, H-C., et al. (2022). Breast preservation after local recurrence of breast cancer: Comparison of length and quality of life (QoL) between breast conserving surgery with intraoperative radiotherapy (TARGIT-IORT) versus mastectomy. Journal of Clinical Oncology 2022 40:16_suppl, e12573-e12573.

  • 6

    Stefanovic, S., et al. (2021). Cardiac serum marker alterations after intraoperative radiotherapy with low-energy x-rays in early breast cancer as an indicator of possible cardiac toxicity. Strahlenther Onkol. 2021 Jan;197(1):39-47. doi: 10.1007/s00066-020-01671-3.

  • 7

    Kolberg, H-C., et al. (2022). Impact of targeted intraoperative (TARGIT-IORT) tumor bed boost during breast conserving surgery for early breast cancer on breast cancer and non-breast cancer associated mortality and morbidity. Cancer Res (2022) 82 (4_Supplement): P3-19-16. https://doi.org/10.1158/1538-7445.SABCS21-P3-19-16

  • 8

    Corica, T., et al. (2018). Cosmetic outcome as rated by patients, doctors, nurses and BCCT. core software assessed over 5 years in a subset of patients in the TARGIT-A Trial. Radiation Oncology (2018) 13:68. https://doi.org/10.1186/s13014-018-0998-x

  • 9

    Keshtgar, M. R., et al. (2013) Objective assessment of cosmetic outcome after targeted intraoperative radiotherapy in breast cancer: results from a randomised controlled trial. Breast Cancer Research and Treatment 140, páginas 519–525, doi.org/10.1007/s10549-013-2641-8

  • 10

    Welzel, G., et al. (2013) Radiation-related quality of life parameters after targeted intraoperative radiotherapy versus whole breast radiotherapy in patients with breast cancer: results from the randomized phase III trial TARGIT-A. Radiation Oncology Journal 8, 9. doi.org/10.1186/1748-717X-8-9

  • 11

    Vaidya, J. S., et al. (2017). Health economics of targeted intraoperative radiotherapy (TARGIT- IORT) for early breast cancer: a cost- effectiveness analysis in the United Kingdom. BMJ Open 7: e014944. doi:10.1136/bmjopen-2016-014944

  • 12

    Monten, C., et al. (2017). Adjuvant breast radiotherapy: How to trade-off cost and effectiveness?. Radiother Oncol, https://doi.org/10.1016/j.radonc.2017.11.005

  • 13

    Coombs, N. J., et al. (2016). Environmental and social benefits of the targeted intraoperative radiotherapy for breast cancer: data from UK TARGIT-A trial centres and two UK NHS hospitals offering TARGIT IORTBMJ Open 2016;6:e010703. doi: 10.1136/bmjopen-2015-010703

  • 14

    Vaidya, J. S., et al. (2010). Targeted intraoperative radiotherapy versus whole breast radiotherapy for breast cancer (TARGIT-A trial): an international, prospective, randomised, non-inferiority phase 3 trial. Lancet, 376(9735), 91–102. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(10)60837-9

  • 15

    Vaidya, J. S., et al. (2011). Long-term results of targeted intraoperative radiotherapy (Targit) boost during breast-conserving surgery. International journal of radiation oncology, biology, physics, 81(4), 1091–1097. https://doi.org/10.1016/j.ijrobp.2010.07.1996

  • 16

    Kolberg, H-C., et al. (2017). Targeted intraoperative radiotherapy tumour bed boost during breast conserving surgery after neoadjuvant chemotherapy – a subgroup analysis of hormone receptor-positive HER2-negative breast cancer. Breast Care 12:318–323. DOI:10.1159/000479424.